terça-feira, 10 de abril de 2018

Quem anda à vulva, molha-se

Esta estava sentada sozinha num restaurante a jantar, o que é praticamente o mesmo do que convidar-me a sentar. Estava entretida com os seus pensamentos enquanto comia uma broa de milho. Claro que por mim, sentava-me de pronto enquanto dizia em tom todo sedutor: “És podre de broa”. E depois ela achava graça e levava-me para casa. Claro que sei que isto só tem potencial de sucesso dentro do meu imaginário, por isso sentei-me suavemente e optei pela abordagem certa, correta e digna, dirigindo-lhe um elogio singelo mas pleno de significado, soltando assim en passant: “Sabes que és broa comó milho?” Pela primeira reação da mafarrica, agora penso que devia ter optado pela primeira abordagem. Mas entretanto já estava sentado, e antes que ela me mandasse embora, desatei a falar. Poucos minutos depois já estava enredada pela teia da minha conversa, que certamente lhe causa uma ligeira pocinha na cuequinha. Assim já quase a permitir um slide & splash à boca da cona. Mas depois detenho-me a pensar no Roland Barthes e no mito moderno da sedução, onde o caçador é que é seduzido, capturado e encantado pela imagem da presa, que capta a sua atenção. Há uma enorme equivalência entre o amor e a guerra, e nos dois trata-se de conquistar, de seduzir, de capturar. Cada vez que um sujeito cai de amores, retoma um pouco o tempo arcaico em que os homens deviam raptar a mulher (sempre passiva). Do modelo primitivo subsiste um vestígio público: aquele que foi seduzido é sempre "efeminado". Mas no mito atual, dá-se o contrário. O sedutor nada quer, nada faz; é imóvel e o caçador é que é o verdadeiro sujeito do rapto. Por esta altura já estou mais interessado em jogar a uma espécie de Quem é Quem deste jogo da sedução do que ir-lhe à pachacha. É que não aceito sentir-me uma presa desta porca da Brandoa. Uma coisa é conquistar o caminho para a pachacha de uma badalhoca dos subúrbios. É quase como que um desafio, ainda que bastante fácil. Outra é um gajo permitir-se ser caçado por uma. E o Patife não é fácil de sacar. Por isso aticei-lhe aqui o meu pilão de caça até a deixar sem dúvidas de quem tinha sido capturada, e deixei-a tão, mas tão excitada, que aquilo resultou numa avalanche orgástica de eleição. Mas que enxurrada de meita de gaja. Enfim… é a vida de caçador: Quem anda à vulva, molha-se.

29 comentários:

Mariete Salema disse...

Se se senta junto de uma mulher que está sentada numa esplanada ou noutro local qualquer, sozinha, será que consegue andar de pé? Não estará sempre sentado?
.
Ri com o seu imaginário, confesso.

Shiver disse...

E a refeição foi boa?

Patife disse...

Mariete Salema:
O Patife anda sempre é com ele em pé. Estando sentado ou de pé. ;)

Shiver:
Sim, comi um belo naco. Já ela comeu nacona. ;)

Geni disse...

Ahahahahah. "Por esta altura já estou mais interessado em jogar a uma espécie de Quem é Quem deste jogo da sedução do que ir-lhe à pachacha". O que me ri com isto!!!!

cantinhodacasa disse...

"Quem anda à vulva, molha-se", ahahah".

Se os post são fantásticos, os seus comentários são orgásmicos.

António disse...

e quem não anda à chuva, fica molhado por ver os outros ir à vulva

Hetero Doméstico disse...

Molhadelas destas... são bem vindas!:-D

Maria Antonieta disse...

Ehehehehe...És mesmo passado da rosca!
Não fora uma ou outra palavra a fugir mais para o ordinareco, tinhas aqui um texto que dava para publicar no semanário do meu tio-avô.
Chama-se "Humor Sem Peias". Conheces?

:)

Cláudia disse...

Antes de mais, adorei o teu grandioso beijo de parabéns =)
Muito obrigado!

Em 2º lugar, comecei a ler e eu já estava naquela, queres ver que se apaixonou?
Já vi que não :P

Mas e então, não gostas de ser seduzido/caçado?

Beijocas

Gaja Maria disse...

Continuo à espera do dia em que ao invés de caçares, és caçado :)

Patife disse...

Geni:
Ri, filha, ri. Mas fui campeão do "Quem é Quem?" entre os 6 e os 12 anos de idade. Levo o jogo muito a sério. Já as quecas levo a brincar. ;)

cantinhodacasa:
Sou um Patife virado para o lado relacional. Há lá coisa melhor do que esgrimir palavras com outro ser humano? Bem... até há. Aviar uma senisga é melhor. Mas pronto, a segunda melhor coisa, vá. ;)

António:
Ver sem meter é coisas de voyeurs frustrados. Adoro ver, mas depois tenho de o meter. Garantidamente não sou eu que vou ficar agarrado ao pau. ;)

Hetero Doméstico:
Bem, depende. Há uns anos uma mafarrica teve um squirt que deixou a minha cama num chavascal de nhanha feminina. Foi um bocadinho longe demais. Sabes que é demais quando tens uma estalactite de suco vginal a escorrer-te pela orelha. ;)

Maria Antonieta:
Palavras a fugir para o ordinareco!? Eu!? desengane-se já. Todas as palavras vêm de um sítio chamado ordinarão e resuktam sempre numa escrita mais que ordinária: extra-ordinária, portanto. "Humor sem peias"? Não conheço. Devia? ;)

Cláudia:
Sou um apaixonado pela vida, por quecas e por mulheres. Mas a paixão dura o tempo exato de uma queca. Não estica mais. Ao contrário do meu pincel, que estica até se perder de vista. E não, não gosto de ser seduzido. Gosto de ser o comandante da sedução. O capitão do meu destino. O senhor das minhas ações. Como quem eu quero e não me deixo ser comido. São estas pequenas regras que me fazem não perder o norte e andar a comer por aí a torto e a direito, assim como tudo só a direito. ;)

Gaja Maria:
Esse dia ainda está longe de chegar. Não sei se alguém terá habilidade para o fazer. Sou como um puma. Selvagem. ;)

mami disse...

o teu jogo de palavras é genial!

DeepGirl disse...

Mas conta lá que técnica de sedução ela utilizou para te deixar tão atordoado, Patife!

Lucy disse...

Então, você se lembrou de Roland Barthes, o alarme soou?
Foi esbardalhar mais uma pachachinha...
Esta seria diferente, talvez a tal?

CÉU disse...

Boa noite,

Já visitei o seu blogue algumas vezes e li os textos fantásticos e humorísticos, que aqui escreve, incluindo os títulos, que são fruto de uma fértil imaginação, de uma cultura académica sólida e de algumas experiências, umas reais, outras inventadas e de um tempo que já lá vai (ó maldita hiperplasia da próstata), mas tudo isto faz deste espaço um ponto de encontro "obrigatório".

Tem uma prosa leve (já sei, a outra é pesada, grande e desventra qualquer uma, mesmo as da Brandoa), arejada, por vezes, em excesso (só aqui vem, quem quer), mas o que vale é que a sua mente está e é limpa, ao contrário da boca, que diz o que muito bem lhe apetece, mas pela boca morre o peixe, como sempre ouviu dizer.

Há gente porca em qualquer lugar. O Chiado é um local como qualquer outro, onde se passeiam pedantes, pedintes, estrangeiros, caçadores, predadores, pessoas que pretendem ser caçadas, mais avec finesse, aparente, enfim, gente anónima e indiferente a muito do que veem, mas como sei que tem um imaginativo e inteligente cérebro, já não digo cabeça para que não recorramos às palavras homónimas, há gente séria e gente que o não é, por toda a parte.

Bem, e esta "aventura real" acabou em alta ou em alto, claro está.

Seja feliz, escrevendo e inventando.

Dias felizes e de boas lembranças.

Mariete Salema disse...

E logo agora que tem chovido tanto, ihihihih Feliz fim de semana
.
* Sexo na Vertente BDSM: Violência ou prazer? Artefactos usados. *
.
Beijinhos

Diana Fonseca disse...

Estas reflexões são demais, hehe.

Patife disse...

mami:
Genial, genial é aqui o Pacheco na cama. Isso sim, é genial. É esfregar aqui a Lamparina que o génio mete logo a cabecinha de fora. ;)

Deep Girl:
Usou a técnica de estar a jantar sozinha. É um apelo explícito ao pinanço. Eu cá capto estes sinais todos. ;)

CÉU:
A mente limpa é a coisa mais importante. Se eu não limpasse a mente ao sujar a boca, devia derivar em alguma espécie de devasso ou de predador sexual. Ah, espera... ;)

Mariete Salema:
Tenho ideia que a minha cama fica sempre mais molhada do que qualquer pedra da calçada em época de chuva. ;)

Diana Fonseca:
Devias então ver-me a fazer flexões. Isso sim é que é demais. Faço duas inteirinhas. E são duas demais. ;)

ematejoca disse...

Já agora uma pergunta: quando tens disponibilidade para ler Friedrich Nietzsche ou Roland Barthes, porque pelo o que aqui leio, tu passas o tempo a dar lustro ao candieiro.

Vanessa Flor disse...

Visitando e desejando um feliz fim de semana.
.
* GERONTOFILIA: Sabe do que se trata, sexualmente falando?. *
.
Beijinhos doces.

Maria Antonieta disse...

A retemperar forças, Patife?...

Fazes bem que para novo ninguém vai...ehehe

Clair de Lune disse...

Olaaaa! Descobri o teu blogue por acaso e confesso que fiquei fã! Tens uma nova seguidora! :D

O meu cantinho: http://xleclairdelune.blogspot.pt

Sara com Cafe disse...

vai, somente vai.

beijos.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, depois de ler o texto conclui que afinal conquistou um homem, você é que sabe o que gosta ou se foi bem enganado.
AG

Cláudia disse...

Patife, molhaste-te tanto que ficaste doente? =P
Onde andas tu, desaparecido?

Beijocas

Simple Girl disse...

O que eu me ri com este post!!!!
Bom domingo :)

hotmilfbrasil disse...

Humm ! veja meu blog hotmilfbr.blogspot.com

جمعة محمود disse...

شركة المثالية لمكافحة الحشرات بالدمام
شركة المثالية للتنظيف بالقطيف
شركة مكافحة حشرات بالخبر
شركة تسليك مجاري بالقطيف
شركة تنظيف منازل بالقطيف
شركة مكافحة حشرات بالاحساء
شركة مكافحة حشرات براس تنوره
شركة رش دفان بالدمام
شركة مكافحة حشرات بسيهات
شركة تسليك مجارى بالدمام

Patife disse...

ematejoca:
Nem sempre. O meu cérebro precisa quase de tanto alimento como o Pacheco. Já tentei pinar a ler, mas a coisa não escorreu bem. ;)

Maria Antonieta:
A dar-lhe com força. Foi mais isso. ;)

Clair de Lune:
Gosto da ideia de ser descoberto. Quase tanto como de cobrir. ;)

Sara com café:
Vou e venho-me. ;)

Existe sempre um lugar:
Uma conquista é uma conquista! ;)

Cláudia:
A pinar, por aí. Mas aqui, sempre aqui. ;)

Simple Girl:
Rir e vir são os melhores remédios. ;)