quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Trabalhar no duro

Eu juro que desta vez estava sossegado no meu canto. Era feriado republicano por isso estava ali tranquilo na mesa da esplanada entretido com o meu whiskey velho. Mas uma mulher de sobretudo sentou-se mesmo na mesa da frente numa pose em que se via que o sobretudo estava sobre nada. Uma mulher de sobretudo que se senta sozinha a olhar para o vazio na mesa da frente está claramente a implorar por uma esfrega valente. De seguida pede um café duplo e aí tive a certeza que ela estava a dizer-me explicitamente que queria trabalhar aqui no duro. Gosto de mulheres habituadas a trabalhar no duro. É logo meio caminho andado para ver se as furo. Na verdade eu até estava cansado mas a mulher não desarmava nas insinuações: Bebia o café a fazer beicinho como que a dizer que gosta de ficar com ela atravessada, olhava constantemente para o relógio como que a dizer que era só para uma rapidinha e dos cinco botões do sobretudo três estavam todos abertos, um sinal claro de que tinha três buracos à disposição do meu nabo. Eram indícios a mais e o Pacheco é um autêntico pau mandado. Com tanta ordem tácita é impossível ficar com a picha flácida. Por isso lá me levantei e puxei com confiança uma das cadeiras da sua mesa. Ela olhou para mim como se não estivesse a par de todo o engate implícito a que me tinha sujeitado nos últimos minutos. Elas fazem muito isto. A linguagem corporal pede para serem sodomizadas à bruta mas depois optam por um discurso de santas beatificadas. Mas preocupado com o tempo da moça fui directo ao assunto: Oh filha, podia ficar aqui horas a falar do teu trabalho, mas na verdade não descanso enquanto não te for ao rabalho. (Nota mental: Tenho de ver esta obsessão de deixar cair a letra “t” das palavras. Já no Tribunal de Contas me aconteceu o mesmo). Mas enfim. Então lá fomos. Ela ia nitidamente nervosa. Até parecia que era a primeira vez que engatava um tipo numa esplanada. À segunda bombada já tinha percebido que ela era mesmo frígida. Parecia uma saca de batatas ali estendida. Às vezes pergunto-me o que motivará as mulheres a comportarem-se na cama como cadáveres. Mas voltando à vaca fria: Minha querida, se não pegas à primeira então vais pegar de empurrão. Ela escondeu o semi-sorriso: Ah Patife... isso seria uma maravilha. Era só o que eu precisava de ouvir. Porque quando usam o termo maravilha é sinal de que querem levar na anilha. Por isso, em dia da Implantação da República, implantei-o na sua ré púbica.

55 comentários:

L.O.L. disse...

Genial a última frase. :)

Barão Mervelho disse...

Num encadeamento da coisa, instaura-se-lhe à ré púbica e saca-se da dita dura.

Patife disse...

L.O.L.:
Genial é a última fase da performance do Pacheco. ;)

Barão Mervelho:
Ahahahahahah. Perfeito. Isso teria sido um remate ainda melhor. Vais ser distinguido com o GMP - Grau de Mérito Patifório. ;)

Stargazer disse...

Mauvais Mac,

Mayday...esclarece-me!

E fizeste-o virado para bombordo ou estibordo?

Beijo...àvante

(mas sem ideologia política, apenas náutica para os mais distraídos!!)

VM disse...

é... realmente chove no nabal... e as gabardinas são importantes, para esconder ordinarices...

abraço!

Patife disse...

Stargazer:
Dá-me mais jeito içar a vela grande para bombordas. Com boas bordas é sempre avante. ;)

Patife disse...

VM:
Gosto muito de mulheres de gabardina. Sei que é um cliché, mas gosto. Mulher de gabardina é certo e sabido que pina. ;)

Malena disse...

Necrofilia? Bolas!

Patife disse...

Malena:
O Patife acha que há mulheres adeptas da Necrofilia Invertida, pois gostam de pinar não com mas como cadáveres. ;)

Ulisses disse...

Nada como uma implantação bem feita. Ou se implanta, ou não...

LOL

:)

Patife disse...

Ulisses:
O facto de ter crescido no campo deu ao Patife a sapiência necessária à superior implantação do nabo. ;)

Vontade de disse...

Magnífico! Magnífico... ré púbica é perfeito.

M. disse...

Normalmente não gosto de ser seguido/a (?)...mas a curiosidade...essa fatalidade...

Numa primeira aproximação (com as devidas distâncias...) assustei-me...um pouco...

Sou assim...

Lendo até achei interessante...as palvras podem ser vulgares e os textos não...

Será?

Verei...

RUI disse...

Tens que ter cuidado com o que deixas cair...

Patife disse...

Vontade de:
A ré púbica dela é que era perfeita. ;)

M.:
O Patife não assusta ninguém. Vá, expliquem lá à atemorizada M. que o Patife é um cavalheiro respeitador. Ordinário. Mas, ainda assim, um cavalheiro. ;)

RUI:
É um facto. Por vezes deixo-as cair na cama e não tenho cuidado algum. ;)

TILIDA disse...

O Patife é um stalker do pior. Se fosse a si tinha cuidado. ;) Ah, e o Patife desculpa tudo. ;)(Patife dixit)


Eu diria que aqui o Patife não foi muito inteligente (compreendo há dias),é que se desculpas tudo porque me aconselhas a ter cuidado?
E mais...Trata-me por tu,s.f.f.
Obrigada,de facto és um cavaleiro...Upsss,desculpa caiu-me o H,logo a letra que,no início,não se lê...

TILIDA disse...

As mulheres comportam-se na cama como cadáveres porque a visão que tem é de MORTE!
Ei...cuidadinho com a resposta!

Patife disse...

TILIDA:
Não foi falta de inteligência. Foi falta de jeito ao embrulhar o "se fosse a si tinha cuidado" em papel de sarcasmo. ;)

lânternamágica disse...

Este gajo Hã..?! :)) Pacheco, tá brutal :)) tá fixe o teu blogue :)) abraço´.

B-Rhed Encore disse...

Minha querida, se não pegas à primeira então vais pegar de empurrão.

Ri demais.

Antes no empurrão, que nada!

Patife disse...

lânternamágica:
Ahahahah. Adoro quando nos confundem a identidade e me tratam por Pacheco em vez de Patife. Mas o contrário também acontece. Acho carinhoso, no fundo. ;) E "brutal" é o que elas costumam dizer depois uma esfrega do Patife. ;)

B-Rhed Encore:
Por vezes lá tem de ser. Aprendi com um Mini 1000 de 1979. ;)

Mystic Mood disse...

"Às vezes pergunto-me o que motivará as mulheres a comportarem-se na cama como cadáveres."

É uma boa pergunta de facto.
Gosto imenso do teu blog ;)
beijinho.

Vera, a Loira disse...

Gostei disto. Foi lindo.

Patife disse...

Mystic Mood:
O Patife é mais dado à parvoíce, conceito que costuma elevar a património verbal. Mas também se detém em questões existenciais de densidade extrema, pelo menos até lhe aparecer um grande par de mamas à frente. ;)

Obrigado e bem-vinda.

Patife disse...

Vera, a Loira:
Como é que sabias as palavras exactas que a moça da anilha proferiu após a esfrega valente!? ;)

Bill Carson disse...

Quem é o Pacheco?

Storyteller disse...

És tão directo Patife :P
Adoro essa tua maneira de agir ahaha

Beijo enorme

Patife disse...

Bill Carson:
"Pacheco" é o Zé Nabo; corneta; besugo; pila; pincel; pica; cacete; pau; pinto; ponteiro; porra; drejo; marsapo; vergalho; vergalhão; piroca; pirilau; picha; pichota; basalto; pirola; piçalho; bitola; blica; bordalo; bacamarte ou sabordalhão do Patife. ;)

Patife disse...

Storyteller:
Eheheh. Sofro de carência da Vitamina S - subtileza. ;)

Sissy disse...

Escreves que é um espanto. Parabéns.

desejo disse...

Patife, já te chamei de Pacheco, enfim, tudo quanto escreves põe-me de boca aberta e sorridente, que troco o caralho com a pessoa, mas como és um todo, que importa se o Pacheco é Patife ou se o Patife é Pacheco. Aliás, a palavra Pacheco leva-me a Pachacha o que nunca associei os nomes, até ao momento que descobrir o teu blog.
Este post, fez-me rir logo de manhã,mas , para não provocar quem está ao meu lado a trabalhar, deixei para esta hora, uma vez que estou nos finais do expediente.
Então as mulheres de gabardine gostam de ... É uma novidade para mim. Ou será porque eu não uso gabardine não sabia que esta tinha fins especifícos, como solicitar a um f****
"Oh filha, podia ficar aqui horas a falar do teu trabalho, mas na verdade não descanso enquanto não te for ao rabalho.**.
Tudo o que escreves tem o seu ar patifório. Neste post gostei desta expressão.A imaginação que tens em "foder" algumas letras..."rabalho".
E, como já disse em cima, além de ficar de boca aberta, fico "rabalhada" contigo.
Para acabar bem o dia, fartei-me de rir com o comentário que fizeste dos nomes que são atribuídos ao Pacheco.
Imagino-te na cama a dizê-los tudinhos.
"Ai, filha chupa-me o sabordalhão", ahahahahahahahahahaha!

desejo disse...

onde se lê "tudinhos" deve ler-se "todinhos".

Ai!

S* disse...

Que belo dia para implantar...

lampâda mervelha disse...

Agradeço o GMP, caro Patife.

Aqui fica um brinde aos Pachecos deste país.

http://www.youtube.com/watch?v=ppbzRio77R0&feature=related

Capitu disse...

God! gaja de sobretudo? saca de batatas? isso não era uma gaja, era uma macha! Ai Pacheco também enfardas tudo o que mexe... mas quê é o plano de austeridade? PEC? Bom... sempre podias escrever qualquer coisa sobre isso «O Patife e o Plano para a Estabilidade e o Crescimento».
Até Terça!

Felina disse...

Se parecia um saco de batatas é porque não lhe tiraste o sobretudo...exageraste na rapidinha...

geminis disse...

me gusta leerte .
un beso

m disse...

para mim, o melhor post. keep up the good work!

Camille La Fille disse...

Deleitam-me as suas mentiras, Patife.

menina fê disse...

és uma fi-gu-ra!!!!!

eu tbm gostaria de descobrir por que algumas mulheres são tão frias na cama!!!

é algum trauma!

rsrs

bjs meus

sentindo.TE disse...

bravo!!!

Irritadinha disse...

Isso sim um verdadeiro acto republicano, um dia terás uma rua com o teu nome.

Stargazer disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Stargazer disse...

Mauvais Mac

Two little things...

1) Tens de fazer um post educativo a começar no A e acabar no Z, com todas as letras do abcedário, em que enumeras sinónimos do Pacheco. Em formato PDF preferencialmente, para nós imprimirmos em A6 e guardarmos na carteira junto ao Responso de Santo António. Assim aos Domingos, vamos memorizando, contribuindo para a cultura nacional e religiosa deste país.

Olha eu a confessar-me no dia 24 de Dezembro e o prior da Estrela a dizer assim: "minha Filha, tantos pecados. São 30 Avé Marias e 10Padres Nossos". E eu engano-me e começo a ladaínha do Pacheco...ai Meu Deus!

2) Estou de gabardine beige mini, botas justas de cano alto, sexy underwear de seda castanha, e vestidinho light de cetim castanho, porque chove, mas não faz frio e colar de pérolas. Hoje vou ao Chiado. Pode ser na Häagen Dazs ou tem que ser na Brasileira? Para me identificares, vou assobiar "Wie einst Lilly Marleen" descaradamente...afinal, e pertante Fassbinder, Hannah Schygulla encarna Marlene Dietrich exactamente com essa indumentária debaixo da laterna :)

Beijo com sabor a...

Doce de Leite!

:)

Maionese disse...

A mulher que pina
como um cadávere duro,
quer é ser agarrada pla crina
e comida no mais apertado furo.

Denison Mendes disse...

muito bom!

Petra Pink disse...

do melhoorrrrr patife! ja agora e para enriquecer a tua cultura ordinarona, ha alguns nomes para o pacheco ditos la em tras-os-montes que te escaparam.
passo a citar: bacamarte, estadulho, alheira "claro né" salpicão, estrumalho....
Se lembrar mais alguma digo. bjo

Me disse...

Eu ainda estou para aqui maravilhada com o post sobre as Pesquisinhas. Deprimentes, é certo, mas vá.
:P

Cumprimentos ao Pacheco.

desejo disse...

:)

desejo

Hysteria* disse...

Sem dúvida que o texto acabou da melhor forma possível... Como é que eu nunca associei? Boa Patife :P *

Desejo Evidente disse...

Já eu adoro homens que trabalham (em mim) no duro.

Cíntia disse...

Patife rsrs Adorei o post alias todo o Blog é interessante....
volto sempre viu tah... ^^)

Patife disse...

Sissy:
É. Sou uma espécie de espantalho. ;) (Um espanto do caralho, portanto)

desejo:
Ahahahaha. Por Pacheco podes tratar-me, just don´t call me baby. Mas na verdade o Patife gostou foi de saber que o que escreve te deixa de boca aberta. É coisa para me deixar assim a atirar para o devasso. ;) (obrigado)

S*:
Todos os dias são bons para a implantação do Pacheco. Mas a oficial Implantação do Pacheco é cinco ao rubro. ;)

lampâda mervelha:
Ora essa. Volte sempre. Ahahahah. Brindo a isso. ;)

Capitu:
Ahahahaha. Poderia caso a política não me deixasse com urticária psicossomática no nabo. Mas faria sentido. O Pacheco é todo ele estabilidade e crescimento. ;)

Felina:
Ahahahah. Parecia uma saca de batatas porque aquilo lá em baixo era de serapilheira. Uma serapintelheira, portanto.;)

Geminis:
Me gustan los besos en castellano. ;)

m:
Se o Pacheco escrevesse é que seria bom post(o). ;) (Gracias)

Camille La Fille:
E a mim deleita-me escrevê-las. ;) Mas não são mentiras, ouviu!? Ai. São... errr... chamemos-lhes realidades romantizadas. ;)

menina fê:
Ahahahah. O Patife é uma figura que não descansa enquanto não as fura. ;)

sentindo.TE:
"Bravo" é a palavra mais ouvida após a pinadela do Patife. ;)

Irritadinha:
Ah... Ora aí está uma ideia pertinente e construtiva. Gosto da tua linha de pensamento. ;)

Stargazer:
1) Ahahahaha. Certo. Assim farei, a bem da cultura nacional.

2) Ai, ai, ai... Essa descrição deixou o Pacheco com a cabeça a andar à roda. Estivesse eu em Portugal na sexta-feira e eu dizia-te onde é que assobiavas. ;)

P.s: Prefiro na Brasileira. ;)

Maionese:
Ah... temos de fazer poesia juntos. Levas a tinta que eu levo o pincel. ;)

Denison Mendes:
"Muito bom" entra no TOP 3 das expressões mais ditas após a performance sexual do Pacheco. ;) Obrigado e bem-vindo. ;)

Petra Pink:
Ahahahah. Aprecio particularmente o estadulho. Uma espécie de embrulho estadual. ;)

Me:
Óptimo. O Patife está aqui, tal como na cama, para agradar. O primeiro post de cada mês será um "Peeping Tom", por isso é só esperar. ;)

Hysteria*:
Ora, não te martirizes. O Patife é doutorado em associações nabais. ;)

Desejo Evidente:
Não gosto de trabalhar no duro. Mas trabalho sempre com ele duro. ;)

Cíntia:
Volte sempre que o Patife não resiste a um bom sotaque brasileiro. Por isso é que bebe sempre o café da manhã n´A Brasileira. ;)

Eduarda disse...

Não tenho pedal pra dizer nada de original depois destes comentários todos.

Como tal, mais vale estar calada :)

Patife disse...

Eduarda:
Acho óptimo. O Patife também gosta pela calada. ;)