quinta-feira, 15 de abril de 2010

Extra-ordinário

Para quem sofre de síndrome de Tourette, como eu, não há melhor forma de começar o dia do que a exorcizar palavrões. Tento esgotar a porcarreia verbal toda porque sou um Patife digno com uma profissão responsável e não quero sujeitar os que me rodeiam à ordinarice.

Por isso, o meu terapeuta incitou-me a criar um blogue para despejar as tourettices sem beliscar a minha postura social. Esta é a verdadeira razão para a criação deste blogue. Claro que há quem diga que sou apenas ordinário. Mas estão enganados. Sou muito mais que um ordinário. Sou extra-ordinário. E assim começam as crónicas do fode, fode patife.

10 comentários:

An7ónio disse...

... e eu gosto disto. Venham essas crónicas, Patife.

Gingerbread Girl disse...

Então fico a aguardar... a ver se isto não será tudo fogo de vista.

Faxabôr de começar.

;)

*

Imperator disse...

eu, não tenho o síndrome de Tourette, embora conheça quem o tem.

mas, não obstante a falta do síndrome, nada é de facto melhor que acordar, espreguiçar e toca de trovejar palavrão vernáculo suficiente para abalar as paredes da casa e acalmar o sistema nervoso.

Patife disse...

O Patife está contigo, Imperator.

Alentejano disse...

...e eu estou com elhas!!!

Alentejano disse...

...e eu estou com elas!!!E elas estarão comigo?

vita disse...

Bem vindo então lol

Pelos textos que li tens jeito para a coisa lol ou seja para patife e ordinário não te falta nada lolol

:)

Sílvia disse...

Li oficialmente os posts todos. A escrita é absolutamente incrível.

Mente Hiperativa disse...

Que bom que você parece lidar relativamente bem com o Tourette. A maioria das pessoas não sabe lidar com essas coisas da mente...

Até hoje não sei lidar com meu jeito bipolar, oscilando entre um extremo e outro, sempre intenso, 'complicado' aos olhos dos outros, eterno insatisfeito que busca sempre algo mais pra satisfazer os desejos.

Gostei da tua atitude. Vou ler por aqui um pouco mais das tuas crônicas.

anaïs n. disse...

Boa tarde,

Isto lembra-me algo, esperemos que não sejas juiz :)
Também me faz crer na Líbido de Freud: não se refuta porque tens resposta para tudo.


anaïs n., claramente.