segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Toucinho-do-céu


Ontem tentei uma coisa diferente. O meu terapeuta tem andado a semana toda a chatear-me e a dizer que eu continuo a comportar-me como um puto reguila desmiolado que pensa que não existem consequências para os seus actos e que julga que vai encontrar alguma sabedoria depois de pinar o maior número de pachachas sem sentido. Tentei explicar-lhe que todas as pachachas que comi tiveram algum sentido para mim. Mais não fosse o sentido crescente do meu pincel. Por isso, ele desafiou-me a convidar uma mulher para jantar e depois para a levar a casa sem tentar nenhuma artimanha para a aviar. Gastar um jantar com conversa que depois não leva a lado nenhum pareceu-me parvo, mas aceitei o desafio. Ele dizia que podia levar a um outro lado qualquer, mas não percebi bem qual. E lá fui. Estava tudo a correr bem até à altura da sobremesa. É que ela pega no cardápio e pede de sobremesa um dos muitos cognomes do Pacheco: Toucinho-do-céu. E continuou, claramente a atiçar-me: Ai, está tanto a apetecer-me um toucinho-do-céu. Ai o toucinho-do-céu deixa-me de água na boca. Eu ia apertando a toalha da mesa para me conter mas entretanto chega o doce à mesa. Ela ia metendo o toucinho à boca enquanto soltava onomatopeias de prazer, numa clara provocação a que nenhum homem de sardão rijo conseguiria resistir. Podem dizer que isto é loucura mas um homem vê uma mulher a gemer com um toucinho-do-céu na boca e o seu primeiro instinto é o de a levar ao céu com o seu próprio toucinho. A natureza é mesmo assim. E não me critiquem. Não fui eu que criei as leis da natureza humana. Por isso não descansei enquanto não meti o toucinho-ao-léu. E logo de seguida foi o meu toucinho-no-céu. Da boca da piquena.

44 comentários:

nAnonima disse...

Que grande toucinho tu me saíste....

Kapikua disse...

louvo-te o esforço de cumprir as instruções do teu terapeuta.

Já o andares no terapeuta me parece completamente desproposito! :)

Grande abraço

Patife disse...

nAnonimo:
O que costumo ouvir é mais "Que grande toucinho do céu com que tu entraste". ;)

Kapikua:
Como diria o Barthes: "Louco não posso. São não me atrevo. Neurótico sou". ;)

LIRIO SELVAGEM disse...

Estava a correr tão bem, pareceu-me que a terapia até estava a surtir efeito... mas no fim falhou, foi isso? :)

Kapikua disse...

Onde se lê desproposito deveria ler-se despropositado.

Patife disse...

LIRIO SELVAGEM:
No fim não falhei. Acertei mesmo em cheio na boca da moça. ;)

Kapikua:
Eu percebi. Mas adoro erratas. E ratas também. ;)

nAnonima disse...

Não me troques o sexo, rapaz!

Patife disse...

nAnónima:
Combinado. Mas toco-te o sexo, rapariga. ;)

Malena disse...

Ui!!! Toucinho do céu também me faz tremer as papilas gustativas! :P

desejo disse...

Terapeuta?! Porquê? Pareces-me ser um homem saudável!
Toucinho-do-céu, hummmmmm!
Há tantas sobremesas divinais: papos de anjo, barriga de freira, pão de rala(racha), eheheh!A nossa doçaria é tão boa quanto as mulheres que deves papar por aí.

:)

Maria D Roque disse...

O toucinho do céu até é um doce de colher, nada tipo nougat, ou torrão de Alicante...

Patife disse...

Malena:
A mim faz-me tremer a pila gustativa. ;)

desejo:
Ah... papos de anjo... Até fiquei com o nabo a latejar. ;)

Maria D Roque:
Doce de colher? O Pacheco é mais um doce típico de mulher. ;)

Mariavaicomasoutras disse...

Toucinho do céu, toucinho do céu...ora, ora Patife!
Terapias não vão lá com toucinho...e muito menos do céu.
Bombom é tesinho no seu e se insistires no céu lembra-te do céu da boca é la que se fazem torresmos quando está muito tempo aberta...

Sufocada disse...

O patife tentou, a acompanhante é que não colaborou.
Se precisar de testemunhas para o terapeuta... :)

S* disse...

No céu da boca? oh coitada... ao menos gostou do toucinho??

NI disse...

Conclusão a retirar deste post: dinheiro mal gasto (o da consulta do terapeuta, entenda-se.

:)

Patife disse...

Mariavaicomasoutras:
Ahahahah. Eu dou-lhe o tesinho no seu... Mas olhe que já tratei de muitas moças aqui com toucinho do céu. Que querem sempre nova dose. Eu é que nego sempre porque isto vicia. ;)

Sufocada:
É um prazer saber que posso contar com a tua palavra na defesa da pureza dos meus actos. Mas não metas as mãos no fogo fálico. Ficarias em brasa. ;)

S*:
É possível que tenha ficado com o maxilar deslocado e com as cordas vocais entrelaçadas por tempo indeterminado. Mas já vi uma manif para provar o toucinho do Patife. ;)

NI:
Só não é totalmente mal gasto porque me divirto muito nas sessões. Estou impaciente para lhe contar como correu este jantar na próxima consulta. Promete. Por agora, só mete. ;)

Mariavaicomasoutras disse...

Vicia o tanas...o tesinho é que derrete...pelo menos comigo é assim e depois só lá vai com apalpo de anjos.

nAnonima disse...

Meu querido Patife,

encontrei esta receita do toucinho, achas que é igual à tua?

Leve à cama o preservativo de sabor a chila, deixe endurecer o pacheco durante 3 minutos exactos e coloque.
Junte o creme de amêndoa, previamente misturado com um bom lubrificante e esfregue bem em seguida leve à pachacha mexendo sempre.
Depois de aquecer 2 minutos, retirar da pachacha e deixar arrefecer.
Junte uns beijinhos, um abracinho e umas carícias.
Mexer bem e levar o pacheco à boca só para engrossar um pouco, sem ferver.
Repita a processo até o creme se encontrar no ponto.

Sirva ao natural. Dê a provar.

Patife disse...

Mariavaicomasoutras:
O tesinho do Pacheco não se derrete facilmente. Vou dar-te uma imagem para reflexão: tronco de mogno. ;)

nAnónima (sem trocar o sexo):
O Pacheco já está endurecido há 3 minutos exactos. Falta só fazer o resto. ;)

Parece-me uma receita perfeita. Na teoria, pelo menos. ;)

Mamã de Peep-Toe disse...

Toucinho-do-céu??Não gosto do nome....

AC disse...

Toucinho do céu? nhaaaaa. Prefiro o verdadeiro, bem genuíno toucinho terreno que leva ao céu.

Patife disse...

Mamã de Peep-Toe:
E chouriça do paraíso? Ou linguiça do Éden? E salpicão do Olimpo? ;)

AC:
Se queres ir ao céu, basta ver o Patife ao léu. ;)

Mariavaicomasoutras disse...

Patife, o tronco pode ser do que se quiser (de couve, de faia, de pinho, de nogueira, de cambala, de...e de...até de mogno)Este último é rijo, de tamanho variável, escuro e liso que quando amanteigado se torna escorregadio...está refletido...quando o Pacheco não se aguenta lá vem o mogno que rebenta, sou uma pobre Maria quando a minha linguiça acaba, a sobre a mesa começa ao som de um minuete acompanhado por um chupa-chupa...é pá...venha de novo o tesinho do céu, sim do céu, não do seu!
Força campeão na reflexão.

Fiona disse...

és parvo mas fazes-me rir.

Pat. disse...

Se não houvesse o pedido de resistência pelo terapeuta, será que teria sido mais fácil concluir o desafio?

Abraços!
:)

Patife disse...

Mariavaicomasoutras:
A tua reflexão estimula-me o tesão. ;)

Fiona:
Sou parvo. Mas tenho um homérico bacamarte, por isso posso dar-me a esse luxo. ;)

Pat.:
É uma boa questão. Mas não. O Patife não consegue meter os impulsos num espartilho. ;)

Uma Rapariga Simples disse...

O que o Patife precisa é de um gatinho. Não de uma gata, mas um gatinho com pelo e fofinho, se for nascido da minha gata, melhor. :D

Miúda disse...

Ah seu grande patife :p

Patife disse...

Uma Rapariga Simples:
Assim assim prefiro outro tipo de ronronar. ;)

Miúda:
É grande sim senhora. É bom saber que o tamanho do meu pincel anda nas bocas do mundo. ;)

Mariavaicomasoutras disse...

Proque será que a reflexão te estimula o tesão?
É que cu teu tesão, estimula a minha real flexão!

Petra disse...

Prefiro salame de chocolate.

Rosa Cueca disse...

Sou mais de natas do céu.

Carolina Tavares disse...

Hum... penso que será muito difícil, diria que impossível, cumprires a recomendação do teu terapeuta. Sendo doce ou salgado a cama e a mesa estão intimamente ligadas.

Achei graça porque já emiti gemidos ao saborear uma iguaria a mesa. Percebes como tem duplo sentido? Aliás já fui comida a mesa.

Beijos

Patife disse...

Mariavaicomasoutras:
Flecte o corpo em real flexão que eu dou-te o tesão. ;)

Petra:
Salame tenho. Só falta barrar com chocolate. ;)

Rosa Cueca:
Consegues perceber o quão badalhoca é a imagem proporcionada por "natas do céu", não consegues? ;)

Carolina Tavares:
Foste uma sobremesa sobre a mesa? Gosto disso. ;)

Satine Rouge disse...

Olá...
Obrigada pela visita!
Ai, Terapeutas quase nunca compreendem as nossas loucuras... *rs
Beijocas!

Helena Só disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Skin n Under disse...

Depois do processo de Bolonha os terapeutas já não são o que eram. Tenta o Quintino que para ele está sempre tudo bem.

MS disse...

Muito bom mesmo! :)
É a primeira vez que visito o teu blog e já me tornei seguidor. Parabéns!
O que eu me ri com este post e os teus comentários!
(quanto à situação em si,, acho que qualquer que fosse a sobremesa o desfecho seria o mesmo... ;) )

Patife disse...

Satine Rouge:
Não me importa não ser compreendido desde que o Pacheco vá ficando compreendido no meio de pachacha alheia. ;)

Skin n Under:
O meu é da velha-guarda. Diverte-me. Há dias em que pino de forma ainda mais incauta e arrojada só para ver o que ele tem a dizer. ;)

MS:
E achas tu muito bem. Após um jantar elas acabam sempre por ser a minha sobremesa. ;)

Miss S. disse...

Bom, ao menos seguiste a indicação do terapeuta e tentaste controlar-te. Mas com tanta provocação é compreensível que o toucinho tivesse que ficar ao léu ;)

A Chata disse...

Arranja mas é uma terapeuta mulher, faz o que de melhor sabes fazer no divã e depois vem cá contar à blogolândia ;)

Helena Só disse...

Até o meu palato se arrepia...

Hot kisses

Patife disse...

Miss S.:
FINALMENTE! Alguém que me compreende, e não apenas aceita, as minhas falhas circunstanciais! ;)

A Chata:
Sabes quantas mulheres terapeutas já tive!? Pois é... Foram todas pelo mesmo caminho. O caminho do meu pincel. ;)

Helena Só:
Curioso. O meu Pacheco, não raras vezes, também se arrepia. ;)