segunda-feira, 30 de maio de 2011

Perder o cio à criada

Este fim-de-semana fui sair a um sítio que estava apinhado de pessoas com uma característica particular que muito me agrada: pessoas com pachacha. Aquilo era só gajas a dar com o pau. Com o Pacheco, entenda-se. Mas às tantas já estava a ficar confuso. O Pacheco não sabia para onde se virar e aqui o Patife, na ânsia de não perder pitada do manancial de decotes-expositores de tetas, de calças justas a delinear dançantes bordas da chona e de rabos bamboleantes em vestidos justos, sentia que os olhos estavam a entrar em R.E.M. Mas de repente o momento cristalizou, o ritmo da música e os gestos entraram em slow-motion e tudo se desfocou à sua passagem. Parecia uma princesa. Mas como as princesas me dão vómitos continuei à procura de uma com ar selvagem e que não me obrigaria a grande conversa para a meter a direito até lhe deixar a cona torta. Assim que me levou para uma grande mansão, confesso que estranhei: será que afinal esta badalhoca é que é mesmo uma princesa? Mas não. Era apenas a criada e a família fina estava fora. Coisa que atiçou a minha curiosidade pois estava desejoso de assistir ao contraste de ver uma criada habituada a limpar gente fina a conspurcar-se aqui com gente grossa. Não sei como é a sua performance como criada mas se fosse semelhante à sua forma de pinar seria certamente despedida em breve, pois a rapariga fodia mal e porcamente e quase me fez perder o fio à meada. Mas parte do porcamente até me agradou, por isso dei-lhe um aviamento por trás à antiga com tanta energia e fulgor que foi até perder o cio à criada.

37 comentários:

VM disse...

e no final, limpou tudo aquilo que sujou?

ahahahahahhhhahahahha

=D

CONDESSA disse...

LOLOLOLOLOLOL. trocas-me as voltas!

Patife disse...

VM:
Limpou tudo aquilo o que o Patife sujou. ;)

CONDESSA:
Estou sempre pronto para uma voltinha. ;)

Tripolar disse...

Olha que agora as criadas são lixadas, vide o exemplo do Strauss-Kahn.
Há que ter cuidado com essa raça, nunca se sabe quando querem dar o golpe da chona.

Stargazer disse...

De repente senti-me transportada ao universo dos filmes de António Lopes Ribeiro...e ao Lisboa sem Camisa de Armando Ferreira...que saudades desses livros deliciosos!!!

...é engraçado como pequenas expressões podem denunciar tanto de uma pessoa...

Beijo mal(criado) :)

caleidoscopio disse...

Adoro a forma (des)elegante com que (des)fazes estereótipos. E isto de não ser só às 3.ª e 5.ª já dá para não entrar em "turkey"! :)

desejo disse...

"decotes-expositores de tetas, de calças justas a delinear dançantes bordas da chona e de rabos bamboleantes em vestidos justos..."

Levaste-me a pensar que foste aos Globos de Ouro da SIC.


"aviamento por trás à antiga ". Exploca como é este aviamento...


:)

Patife disse...

Tripolar:
O Patife tem sempre um contra-golpe na manga. Chama-se a grande golpada. ;)

Stargazer:
O Patife não tem pequenas expressões mas causa sempre grandes impressões. ;)

caleidoscopio:
Agora é às segundas e quintas. Gosto de começar a semana aqui da mesma forma que começo na cama: A fazer vir. ;)

Patife disse...

desejo:
Ora, é à brutinha, com elevado ritmo de bombada enquanto a mão direita apenas se concentra na palmada, que surge nas bombadas ímpares. A mão esquerda segura as crinas e vai dando orientação ao galope e ao relinchar. ;)

LM disse...

Melhor dizendo: tiraste o pio á criada.
És um badalhoco. Nao mudes nunca.

Malena disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Posso te garantir, q nem todas as criadas säo de ma envergadura.Eu tb sou empregada e sou mt perfeitinha, em tudo............. Mazi

desejo disse...

eheheheheheheheh! Com que detalhe!
Amei!

:)

Mars disse...

Só não é perfeitinha no ego... É capaz de estar demasiado elevado... lol

Malena disse...

Parece que tu é que estiveste numa de limpeza... de canos... ;)

S* disse...

Aviamento por trás... parece-me muito bem!

Nawita disse...

Quem muito escolhe pouco acerta .

O problema da rapariga não deve ser falta de talento, mas sim de motivação, aplicação e brio no que faz.

Isis disse...

Ó Patife, tu não lhe ensinaste a aperfeiçoar a perfomance da phoda?

Aqueleparvo disse...

Devia ser a empregada do Castelo Branco. Agora que o tipo... Opppsss! Enganei-me... a tipa... Opppsss! Outra vez... a coisa está por fora, lá consegue dar um pinanço. Isto porque não estou a ver tal personagem assediando um ser com vagina. Nem nisso a rapariga teve sorte, ficando também explicado o enferrujamento na hora da vergade.

Patife disse...

LM:
Ahahah. Por acaso aquilo foi uma piadeira sem fim. E mudo sempre, de chona. ;)

Mazi:
O Patife adora (mal-)criadas. ;)

desejo:
O segredo da excelência reside no detalhe. Por acaso é mentira: reside no Pacheco. ;)

Mars:
Nesse caso estará como o Pacheco. ;)

Malena:
Mas na verdade foi ela que esfregou. ;)

S*:
Um clássico é sempre um clássico. ;)

Nawita:
Por isso é que teve de levar com um cu-rectivo. ;)

Isis:
Não. Mas ensinei-a a abocanhar-me a torta. ;)

Aqueleparvo:
Ora aí está uma explicação plausível. Mas ficou bem desenferrujada no final. ;)

Senhor Geninho disse...

Já que era má no acto, confirmaste se era boa a puxar o lustro?:D

Tripolar disse...

Eu pensava que a carta na manga, perdão... na braguilha, era o Pacheco.

Patife disse...

Senhor Geninho:
Era muito boa a polir a maçaneta, sim. ;)

Tripolar:
Gosto mais de lhes meter a carga na tanga. ;)

Felina disse...

Então o pacheco não é como aqueles paus que ajudam a descobrir água no solo? ele devia saber escolher melhor não? tanta experiência para nada...

Patife disse...

Felina:
É a arte de improvisação necessária para dar a volta a estas quecas que melhoram a performance do Patife. ;)

Nádia disse...

Explica lá o "fodia mal e porcamente". Como é que tal é possível?

Ah, tenho (como sempre), uma dúvida existencial para te colocar, que me tem intrigado desde que leio o blog. O pacheco nunca avia uma gaja pela frente? Falta-lhe algum talento que eu desconheça? É que noto aí uma certa fixação pelas traseiras e, não desprezando esta prática ancestral, ser tendencioso não é lá muito promissor nas artes sexuais.

A Princesa disse...

Prometo que é a última vez que aqui venho... não te quero provocar nauseas...
;)

Bjo

Patife disse...

Nádia:
Vou poupar-vos aos detalhes. Era mal e porcamente. Sendo que porcamente é um elogio. ;)
Pela frente!? Não caio nessa. Ainda há um momento de contacto olhos nos olhos e corro o risco de sentir coisas ou assim. ;)

A Princesa:
Prometes!? Tira o pro e fiquemos com o metes. ;)

A Princesa disse...

Ainda assim corro o risco de te dar vómitos...
:D

Patife disse...

Ahahahah. Há princesas e há A Princesa. A Princesa não me dá náuseas nem vómitos. ;)

A Princesa disse...

Sendo assim... volto!!!
Mas pelo sim pelo não... trago saquinhos!!!
;)

Bjo

Nádia disse...

Hahaha, está bem está. Acho que fazes bem em defender a honra fodilhona da empregada! ;)

eu pensei que a tua filosofia fosse não sentir nada! ;) Que deixasses isso para o pacheco! :P

Cota disse...

Que patrão que tu saíste xD

Cota disse...

já agr, foste sair pa onde!!?

Bernardo disse...

Bom blog.
Vou seguir :D

Di Almeida disse...

Patife mencionei o teu blogue no meu. :) não resisti!ehehe

Patife disse...

A Princesa:
Ahahahah. Rapariga sensata. ;)

Nádia:
O Patife sente muitas coisas. Normalmente na ponta do Pacheco. ;)

Cota:
Ora deixa lá ver se me lembro... Nesse dia penso que foi mesmo para o Lux. ;)

Bernardo:
Seja bem-vindo. ;)

Di Almeida:
Adoro quando não me resistem. ;)